Como identificar e tratar a leptospirose em cães?

4 minutos para ler

Existem algumas doenças que podem acometer nossos pets que nos preocupam muito, não é mesmo? A leptospirose em cães é uma delas. Trata-se de uma doença infecciosa transmitida por uma bactéria presente na urina dos ratos para os cachorros.

A leptospirose é, na verdade, uma zoonose, ou seja, uma doença infecciosa que também pode ser transmitida para o ser humano e, por isso, é motivo de uma preocupação ainda maior.

Neste post, vamos falar sobre essa doença, seus sintomas e tratamento. Continue a leitura e saiba mais sobre a leptospirose canina! 

Como ocorre o contágio da leptospirose em cães?

Tudo se inicia pela contaminação da água, alimentos e outros locais pelos quais os ratos, já com a bactéria, passam e urinam, infectando tudo que estiver ao redor. Daí a importância de escolher bem o local onde se coloca a ração e água dos animais.

O contágio da leptospirose ocorre pela penetração da bactéria nas mucosas nasal, bucal, conjuntiva ou mesmo pela pele, caso o pet esteja com alguma ferida ou machucado. Por meio da mucosa, as bactérias chegam até a circulação sanguínea do cão, atingindo vários órgãos e tecidos.

Quais os sintomas da doença?

Os sintomas da leptospirose em cães estão associados a variação dos tipos encontrados da doença. Em alguns casos o animal nem aparenta estar doente, no entanto, em outros, os sintomas são muito evidentes e agudos. 

Vale ressaltar que a patologia tem uma alta taxa de mortalidade e, por isso, o tutor deve estar sempre atento a qualquer sintoma que ele apresentar. Confira os mais comuns:

  • febre;
  • diarreia;
  • vômito;
  • desidratação;
  • letargia;
  • hipotermia;
  • edema;
  • tremores;
  • aumento da sede ou micção;
  • dificuldade em urinar;
  • sangue na urina;
  • perda de apetite;
  • perda de peso;
  • espasmos musculares;
  • dificuldade de respirar;
  • dor ou rigidez muscular, entre outros.

Casos de sintomas que tenham relação com a micção do cão ou o aumento da sede necessitam de uma atenção maior — uma vez que evidenciam um dano renal, que representa gravidade.

No entanto, quaisquer desses sintomas requerem uma ida imediata ao médico veterinário, visto que quanto mais cedo se busca o tratamento, melhores serão os prognósticos de cura da doença.

Como ocorre o diagnóstico da doença?

Para um diagnóstico inicial, o veterinário avaliará o animal, tendo em conta os sintomas informados pelo tutor. Será necessária uma análise da urina, que se apresentar taxas altas de proteínas e hemoglobina, quer dizer que se trata de uma infecção.

Já, o diagnóstico conclusivo será por meio de um exame laboratorial de sangue em que será analisado a sorologia ou mesmo por uma observação microscópica da urina em que pode ser observada a presença da bactéria leptospira.

Como é o tratamento da leptospirose em cães?

O tratamento da leptospirose consiste na administração de medicamentos, bem como em modificações nutricionais. O veterinário receita antibióticos para combate à infecção. Se o animal apresentar problemas renais, ele deverá também tentar reverter os sintomas. 

Por fim, é importante que a alimentação do pet seja modificada. Deverá ser bem nutritiva, mas com um baixo teor proteico.

É de suma importância cuidar bem do local onde o cão vive, evitando deixar sua comida e água expostas. Ficar atento aos sintomas e ter atenção ao seu pet são cuidados de extrema importância, pois qualquer doença têm melhores resultados quando tratada no início.

Gostou deste, post? Muito informativo, não é mesmo? Para ter acesso a mais conteúdos como este, nos siga no Facebook e Instagram.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-